quinta-feira, 29 de agosto de 2013

Coleção de Graphic Novels - Editora Salvat


Bom amigos... A grande novidade da semana (talvez entre as melhores do ano) foi sem dúvida nenhuma o lançamento da Coleção Oficial de Graphic Novels da Marvel. Uma coleção ímpar, pois traz histórias importantes do Universo Marvel em encadernados muito bem acabados. Para leitores antigos é uma grande chance de ter histórias que por alguma razão perderam. Para novos leitores é uma grande oportunidade de entrar com contato com sagas que remodelaram os personagens da Marvel nas últimas décadas. A versão original da coleção é Europeia e pode ser também conferida em seu site original: The Official Marvel Graphic Novels Collection. Aqui no Brasil ela está saindo por meio de uma parceria das Editoras Salvat e Panini. Nesta matéria veremos algumas características dessa coleção que parece que marcará época!!

Há cerca de 04 meses a Editora Salvat havia sinalizado com a possibilidade de lança-la no Brasil. O alvoroço foi grande, mas por fim descobriríamos que o tal lançamento na verdade seria apenas um teste em algumas cidades do Brasil. Na época até fiz uma matéria aqui no blog na qual eu reclamava da falta de informação. Desde então todos ficamos na espera, chegando a pensar que o teste não teria sido bem sucedido. Porém, o mercado brasileiro novamente surpreende pela sua grande capacidade. A coleção é composta por 60 encadernados (no mínimo) de capa dura e traz a proposta de contemplar importantes sagas da Marvel. Além disso, cada volume vem com vários extras interessantes tais como, entrevistas exclusivas com autores e desenhistas, desenvolvimento do personagem, galeria e esboços dos artistas, fichas informativas e recomendações de leituras. Ou seja, o fã pode realmente se esbaldar! 


 


Exemplos dos Extras que acompanharão cada volume

A coleção conta com Site Oficial Brasileiro e ao que tudo indica cobrirá os quadrinhos das décadas de 80, 90 e 2000. A periodicidade será quinzenal, sendo que o 1º encadernado sai por um preço promocional de R$ 9,90. O 2º custará R$ 19,90 e os restantes R$ 29,90. A versão brasileira não seguirá a ordem de lançamento da sua correspondente europeia, porém os primeiros números já foram anunciados: 1 - Homem-Aranha: De Volta ao Lar; 2 - X-Men: Superdotados; 3 - Vingadores: A Queda; 4 - Thor: O Renascer dos Deuses; 5 - Os Supremos: Super-Humano; 6 - Capitão América: Tempo Esgotado; 7 - Homem-Aranha: A Última Caçada de Kraven; 8 - Marvels (!); 9 - Guerra Secreta; 10 - Demolidor: A Queda de Murdock.



Não preciso nem dizer a importância de algumas destas sagas como por exemplo "Demolidor: A Queda de Murdock", história que já vi sendo vendida por exorbitantes R$ 199,00!! Ou seja, seria a oportunidade de completar muita coleção por aí. Quanto à assinatura não há qualquer menção no site da coleção, o que foi confirmado por alguns colegas que já entraram em contato com a Editora para perguntar sobre isso e obtiveram a resposta de que não haverá pacotes de assinaturas. Quanto à extensão do lançamento, até agora não temos a ideia de quais cidades brasileiras foram contempladas. Em São Paulo capital ela já chegou e sua distribuição está restrita às bancas de revistas, ou seja não é encontrada em livrarias ou Comic Shops.
 

Outro detalhe interessante é que a lombada de cada livro traz parte de uma cena desenhada pela artista Gabrielle Dell´Otto. Ao coloca-las lado a lado na estante forma-se um lindo painel. Bom amigos, como já comentei aqui no Blog, o Brasil vive um momento ímpar no mercado dos quadrinhos e do colecionismo. A grande variedade de títulos de quadrinhos em bancas, as incríveis coleções de Miniaturas da Marvel e da DC, além da Coleção Carros Inesquecíveis do Brasil, Xadrez Star Wars entre outras, fazem desta época uma época bem especial. Caso haja mais novidades sobre esta coleção de Graphic Novels postarei abaixo nos comentários. Deixo meu abraço à todos!

domingo, 25 de agosto de 2013

Miniatura Marvel 26 - Ultron

Miniatura Marvel Nº 26 - Ultron

Letal, incrivelmente forte e portador de um corpo feito de Titânio, Ultron é na verdade uma inteligência artificial fruto de um experimento do Dr. Hank Pym, herói mais conhecido pelos seus alter-egos: Golias, Jaqueta Amarela e a 1ª encarnação do Homem-Formiga. O Nº 26 da Coleção de Miniaturas Marvel traz um dos vilões mais perigosos do Universo Marvel, fato que explica, possivelmente, a escolha dele para estrelar o próximo filme dos Vingadores. Na presente matéria veremos algumas fotos desta peça que muitos acharam sem grandes atrativos, no entanto ao contextualizamos o vilão dentro da mitologia Marvel, observaremos que ele tem grande importância.

Miniatura Marvel Nº 26 - Ultron

Ultron surpreendeu seu criador logo de início ao se voltar contra ele com uma brutal violência. Capaz de se adaptar rapidamente aos seus oponentes, Ultron possui uma grande vantagem, o fato de ter sido projetado a partir dos padrões cerebrais de Hank Pym, um dos homens mais inteligentes do Planeta. Além do intelecto do Dr. Pym, Ultron possui a vantagem de ter toda uma rede de processamento de dados à seu serviço, o que lhe permite alçar voos analíticos maiores que os do seu criador. A 1ª aparição de Ultron se deu em Avengers Nº 54 em Julho de 1968, e seu visual inicial nos lembrava uma lata ou tanque, ao melhor estilo R2D2 de Star Wars. Porém logo ele o abandonaria em prol de um corpo humanoide feito de Titânio. Essa atualização viria a ser conhecida como Ultron-5.

Miniatura Marvel Nº 26 - Ultron

Ultron-5 tornou-se um oponente à altura dos Vingadores e sua história tem tudo a ver com a de outro Androide, O Visão. Construido por Ultron-5 a partir de um Androide da Era de Ouro dos Quadrinhos (o Tocha-Humana original), o Visão, como todos sabemos, se tornaria um grande Vingador e participaria ativamente da derrota de Ultron. No entanto, Ultron-5 conseguiria um novo corpo a partir de um metal virtualmente indestrutível, o Adamantium. Assim nascia o que conhecemos como Ultron-6.

Miniatura Marvel Nº 26 - Ultron

Boa parte da grande capacidade do vilão se reerguer de suas derrotas vem de seu poder de enviar comandos subliminares hipnóticos às pessoas, o que lhe permitiu que, mesmo habitando carcaças inertes pudesse forjar indiretamente para si novos receptáculos humanoides. Ultron-6 seria também derrotado em uma titânica e épica batalha envolvendo o vilão e os Vingadores dentro do prédio das Nações Unidas. As derrotas de Ultron, no entanto sempre davam um bom "gancho" pois, bastava sua cabeça sobreviver (local onde supostamente estaria sua essência eletrônica) para que ele novamente retornasse mais forte e atualizado.

Miniatura Marvel Nº 26 - Ultron

E foi isso que aconteceu, Ultron-7 voltou para enfrentar os Vingadores e o Quarteto Fantástico juntos. A cabeça inerte de Ultron havia sido encontrada por Maximus (irmão renegado do Rei Raio Negro dos Inumanos). Esse confronto se deu durante o casamento de Mercúrio com Cristalys dos Inumanos e foi Franklin Richards (filho do Sr. Fantástico) que desferiria o golpe mortal sobre Ultron-7 através de uma poderosa rajada psiônica. É interessante observarmos que essa história se passou em 1974, ou seja, naquela época Franklin Richards já era um garotinho! rs rs Ultron-7 tinha, no entanto um plano reserva e conseguiu ativar à distância um corpo reserva de Adamantium. Foi portanto esse Ultron-7 que criou Jocasta, uma androide baseada nos padrões mentais de Janet Van Dyne (a Vespa). Após nova derrota, Ultron-7 ainda conseguiu ressurgir e se atualizar em Ultron-9 com a ajuda de um Homem de Ferro hipnotizado, para ser também derrotado e preso em um tanque de Adamantium líquido. Isso se deu no fim da década de 70, início dos anos 80.

Miniatura Marvel Nº 26 - Ultron

Ultron voltaria à vida com a ajuda de uma hipnotizada Jocasta, que o libertou do Adamantium líquido renascendo assim como Ultron-10. Esse último seria destruído em uma história com ajuda de outro Androide, o Homem-Máquina. Ultron-11 e 12 tiveram suas histórias publicadas à época das Guerras Secretas nos anos 80 e, já no final dessa década, estaria em sua 13ª versão, vindo a ser tornar o que ficou conhecido como Ultron-Supremo. Foi esse Ultron que construiu um exército de Ultrons a partir dos padrões cerebrais de diversos Vingadores, o que deu sequencia à um grande arco de histórias ao longo dos anos 90 e início dos anos 2000.

Miniatura Marvel Nº 26 - Ultron

Na década de 2000 Ultron voltaria ao centro das histórias dos Vingadores ao tomar o controle da armadura do Homem de Ferro sofrendo, no entanto inexorável derrota nas mãos de Tony Stark com ajuda de Jocasta. Mais recentemente Ultron apareceu nas páginas de uma saga recém publicada nos EUA: Age of Ultron, ou seja, o vilão ao que tudo indica ainda tem muito gás para gastar!

Miniatura Marvel Nº 26 - Ultron

Em minha opinião essa miniatura é mesmo simples, porém retrata o personagem tal qual é desenhado nas HQs, ou seja, não havia muito o que inventar mesmo. É uma peça que, se vista fora do contexto, possivelmente não será relacionada ao universo da Marvel. Sua importância para as histórias da Casa das Ideias, no entanato é incontestável, conforme pudemos ver aqui na matéria.

Valeu amigos! Abraço à todos!

quinta-feira, 22 de agosto de 2013

Ponto de Ignição - O Filme Animado


Há algum tempo eu vinha planejando abrir um novo tópico aqui no Blog onde pudesse falar especificamente de algumas animações com as quais venho tendo contato. Ao assistir ao filme animado Liga da Justiça - Ponto de Ignição (Justice League - The Flashpoint Paradox - 2013) tive a certeza de que era a hora de abrir o assunto. É consenso geral de que a DC vem produzindo animações muito boas, porém Ponto de Ignição foi para mim uma surpresa incrível no que diz respeito à qualidade do roteiro, diálogos, desenvolvimento dos personagens e sobretudo em função da abordagem ousada dos tradicionais ícones da editora. A presente matéria se propõe a comentar (sem spoilers) um pouco sobre essa minha agradável surpresa!


Ponto de Ignição foi um arco de histórias de Geoff Johns e Andy Kubert através do qual a DC encerrou seu universo na fase Pré-Reboot há cerca de dois anos nos EUA. Não li esse arco por diversas razões, mas a principal foi a percepção de que era apenas uma "história de ocasião". Dessa forma não posso opinar sobre a história impressa mas, a forma como ela foi transposta para filme ficou excelente. O centro de tudo é a perda que Barry Allen (O Flash)  experimentou em sua adolescência com a morte de sua mãe. A animação começa em uma linda cena entre mãe e filho na qual Barry ouve palavras que ficarão gravadas para sempre em sua vida. Já adulto, com poderes e obrigações Super-Heroísticas, Allen sucumbe ao desejo de fazer o que muitos de nós em algum momento já pensamos em fazer: alterar o passado.


A história toda se passa então em uma linha temporal alterada por esse ato. A grande qualidade da animação é o desenvolvimento dos Super-Heróis, dentre eles Batman, não mais Bruce Wayne, mas sim seu pai, Thomas Wayne, um homem que sucumbiu à dor da perda do filho. Aquaman, um imperador altivo e prepotente. Superman, um personagem totalmente diferente daquele das histórias tradicionais (que não posso escrever porque para não estragar). Ciborgue, o único que carrega traços do seu correspondente em nossa realidade. Lanterna Verde, que possui uma participação diferente no contexto geral. E aquela que na minha opinião foi também muito bem trabalhada, Mulher-Maravilha. Essa foi uma das poucas histórias em que a Amazona é realmente retratada como uma guerreira, bem diferente da personagem domesticada que conhecemos. Os autores chegaram no âmago da heroína, que em minha opinião nunca acertou de forma precisa sua personalidade nas HQs e demais mídias. É nesse contexto que o Flash (da nossa realidade) é inserido.


Outra atração é o aparecimento de diversos outros personagens (Lex Luthor, Exterminador, Lois Lane, Bandoleiro). Pontos positivos são também as cenas de lutas, bem coreografadas e críveis. A dinâmica da história também ajuda, com mudanças de cenas que passam a sensação de estarmos assistindo à um filme em que você precisa prestar muita atenção, pois há muitos diálogos que não acontecem. Muito está  implícito nas reações dos personagens.


O traço dos desenhos obedecem ao estilo "Mangá", algo que eu não gosto muito. Este era aliás minha ressalva para assisti-lo. No entanto, já havia me surpreendido com outra animação da DC com esse tipo de traço (Batman - O Cavaleiro de Gotham). Apesar do estilo do desenho não me agradar fui logo envolvido pela história e essa minha ressalva foi logo esquecida.


A carga dramática é bem dosada e faz com que todos os personagens envolvidos apresentem-se como indivíduos com motivações, traumas e interesses reais. Pela primeira vez tive a impressão de ter visto algo na DC que me lembrou o que presenciamos na Marvel nos primeiros arcos de "Os Supremos", os Vingadores do Universo Ultimate da Marvel. Personagens que vão às últimas consequências ao agir conforme sua visão de mundo. Aliás, Flashpoint Paradox bem que poderia servir como piloto para uma nova série de animação da Liga da Justiça sob esse prisma.


Deixo aqui essa minha dica e inauguro um novo marcador aqui no Blog: Animações. Um grande abraço à todos!

sábado, 17 de agosto de 2013

6º Mercado de Pulgas - Novidades


Aconteceu hoje em São Paulo (Capital) o 6º Mercado de Pulgas, evento de venda e troca de revistas em quadrinhos e artigos colecionáveis. Promovido pelo site Guia dos Quadrinhos, com apoio do Site/Loja Planeta GIBI, Gal Editora e Revista Mundo dos Super-Heróis, o evento tem se consolidado como uma das atrações anuais no circuito dos quadrinhos paulistano. O Mercado de Pulgas é sempre marcado pelo bom humor dos seus organizadores que, ao longo do dia brindam os visitantes com convidados ligados aos quadrinhos. Em mesas-redondas acompanhamos debates sobre o mercado brasileiro de quadrinhos, curiosidades e novidades. Além disso, há sessões de brindes entregues durante um ou dois "Quizz".


Esse ano acompanhei o evento durante boa parte da tarde, visitando os "stands" de sebos, onde sempre se pode garimpar alguma raridade. Visitei também o "stand" da Revista Mundo dos Super-Heróis onde pude bater um papo rápido com o Editor Manoel de Souza. Durante a conversa ele me revelou a temática da nova revista da Editora Europa: Mundo Nerd. Manoel informou que a nova revista tratará de aspectos do universo nerd apresentando-os sob uma ótica moderna e dando enfoque às perspectivas futuras. A já consolidada Revista Mundo dos Super-Heróis voltaria a se focar mais especificamente no universo Super-Heroístico apresentando os assuntos sob uma perspectiva histórica e contextualizada.

Galera respondendo ao Quizz

O ponto alto para mim foi o "Bate-Papo" com o Editor Chefe do segmento Marvel/DC da Panini Brasil: Fernando Lopes. De forma bem humorada a sessão se iniciou com Lopes tecendo um painel sobre a evolução dos quadrinhos nos últimos 30 anos no Brasil. Resumindo essa 1ª parte ficou claro que as Editoras ainda não encontraram uma solução para o dilema de atender fãs ardorosos (sem os quais não consegue sobreviver) e a necessidade de angariar novos leitores. Além disso, Lopes inseriu na conversa um ponto de vista novo para mim, ou seja, em um mundo dominado pela tecnologia e pelas redes, as Revistas em Quadrinhos são relevantes apenas por um motivo: elas são o repositório das marcas e conceitos sobre os quais as editoras são construidas. Para dar um exemplo ele comentou que o Homem de Ferro em décadas de existência nunca chegou a dar 1/10 do lucro que um único filme dele deu. Dessa forma salientou a importância dos quadrinhos para que marcas e conceitos sejam mantidos, muito embora o verdadeiro lucro venha de outras mídias.

Bate-Papo com o Editor Marvel/DC da Panini Brasil: Fernando Lopes

No âmbito das novidades Lopes confirmou alguns lançamentos anteriormente divulgados. No segmento Marvel ele salientou a importância da saga Vingadores x X-Men, que fundamentará o caminho dos personagens da editora nos próximos anos. No lado da DC ele economizou e disse que, como assumiu o cargo de Editor Marvel/DC agora (antes Lopes estava mais ligado apenas à Marvel), não se sentiria confortável em dar informações sobre lançamentos DC. Lopes confirmou a revista do "Juiz Dredd" para mais seis números, ou seja, com o nível de vendas atuais o Juiz tem seu lugar garantido. Ainda em relação ao Dredd foi confirmado o lançamento de um encadernado contando a origem do personagem. Para mim, no entanto (que sou fã do universo PULP) a maior alegria foi a confirmação dos lançamentos no âmbito Panini/Mythos. As revistas da Dynamite Entertainment sairão conforme previamente anunciadas. O Aranha (Spider), Fantasma (The Last Phantom), O Sombra, Morcego Negro, Kirby Gênesis e Masks (publicação que trás Sombra, Zorro, Besouro Verde e O Aranha) foram revistas lembradas como futuros lançamentos. Além disso, Alice no País das Maravilhas.








Bem... Não posso deixar de expor aqui minhas aquisições feitas no evento. Primeiramente adquiri "Batman Crônicas - Volume 01", encadernado que traz em ordem cronológica as primeiras aventuras do Homem-Morcego diretamente de 1939! Para mim um verdadeiro tesouro. Já tinha o volume 02, porém estava atrás dessa há muito tempo e tinha quase certeza que não acharia lá.


Minha 2ª aquisição foi algo com o qual me deparei em um "stand" e me surpreendeu. Entre 1983 e 1985 (quem é leitor antigo deve se lembrar) tivemos o lançamento do Dicionário Marvel ao longo de diversas revistas da Marvel/Abril da época. Lembro-me de possuir muitas páginas desse dicionário, mas como muitos nunca cheguei à termina-lo. Ao visitar um dos "stands" me deparei com esse Dicionário Marvel completo e encadernado! Não pude deixar de adquiri-lo. Ao folheá-lo pude perceber que, ao que tudo indica, ele deve ter sido reproduzido de algum original. As páginas são idênticas às originais, porém estão novas e cheirosas (algo pouco comum em material antigo). Isso me leva a crer que é uma reprodução a partir das páginas originais. Porém, fiquei contente assim mesmo pois ele está completinho!



Bom amigos... Lá se foi mais um Mercado de Pulgas. Para mim valeu a pena! Deixo aqui um grande abraço à todos!

O amigo Moisa (esquerda) e eu.

domingo, 4 de agosto de 2013

Miniatura Marvel 25 - Ciclope

Miniatura Marvel Nº 25 - Ciclope

Infeliz, recalcado, introspectivo, antipático, rancoroso, obstinado... Todas essas características fazem parte da personalidade de um dos mais importantes líderes dos X-Men: Ciclope. Mas isso nem sempre foi assim. Houve uma época em que o jovem Scott Summers era tímido, introspectivo e amável. Possivelmente as transformações observadas no herói ocorreram em função das coisas que lhe foram tiradas ao longo do tempo, dentre elas a maior: seu grande amor, Jean Grey (Fênix). É provável que os pétreos e honrados ensinamentos de seu grande professor, Charles Xavier, convivam em conflito contínuo no interior de Ciclope com as injustiças que a vida lhe reservou, gerando um turbilhão de paradoxos, justificando assim a complexa personalidade descrita acima. Nessa matéria veremos algumas fotos da miniatura do personagem no âmbito da Coleção de Miniaturas Marvel, bem como alguns fatos de sua conturbada vida.

Miniatura Marvel Nº 25 - Ciclope

A história de Scott e de seu irmão mais novo, Alex, começa trágica a partir de um ataque alienígena ao avião em que viajavam seu pai (Militar Norte-Amaericano), sua mãe e os pequenos Scott e Alex. Os dois meninos são lançados do avião pelos pais para não serem capturados pelos atacantes. Durante a descida o paraquedas de Scott (que segurava o irmãozinho) pega fogo e, no desespero, seus poderes óticos de manifestam salvando a si e seu irmão. Os dois seriam separados e Scott viveria seus próximos anos em um terrível orfanato até ser resgatado pelo Professor Charles Xavier. Ele se tornaria o 1º aluno de Xavier e, portanto um dos mais queridos. Adotando o codinome de Ciclope, Scott seria um dos principais líderes dos X-Men, equipe formada por outros alunos mutantes e superdotados de Xavier, cuja principal missão seria a de assegurar um futuro pacífico entre o Homo-Sapiens e o Homo-Superior (conhecidos como Mutantes).

Miniatura Marvel Nº 25 - Ciclope

A trajetória dos X-Men junto à humanidade é a metáfora perfeita que permitiu que os quadrinhos abordassem o difícil assunto da segregação racial. De um lado teríamos o Professor Xavier, que representaria o ideal pacífico de Martin Luther King (líder negro e pacifista norte-americano) e do outro Magneto, que encarnaria em grande parte as ideias de Malcom-X (líder estadunidense negro que pregava, dentre outras coisas, o fortalecimento da raça negra a partir de sua separação da raça branca). Scott sempre foi para o Professor X um dos grandes investimentos de sua vida como perpetuador de seu ideal.

Miniatura Marvel Nº 25 - Ciclope

O poder de Ciclope é a absorção de energia solar que é redirecionada pelos seus nervos oculares aos seus olhos, transformando-a em destrutivas rajadas de energia. O único elemento capaz de deter tais rajadas são os cristais de Quartzo-Rubi, dos quais seu visor é feito. Ciclope consegue, a partir de um dispositivo calibrador localizado ao lado de sua viseira ajustar o nível de potência de sua rajada óptica. Isso justifica a posição em que se encontra a miniatura apresentada aqui nas fotos. São muitos os eventos tristes e controversos pelos quais Scott passou. Podemos dizer, no entanto (em minha opinião claro) que o grande divisor de águas para o personagem, no que tange a formação de sua psiquê foi, como quase sempre o é, a não concretização de suas aspirações amorosas. Jean Grey, seu grande amor, foi lhe tirada várias e várias vezes.

Miniatura Marvel Nº 25 - Ciclope
 
Ciclope e Wolverine (que também nutria sentimentos por Jean) são atualmente inimigos no que diz respeito à visão de mundo e futuro para os mutantes. Toda raiva e disputa entre esses dois icônicos personagens se originou, no entanto em Jean Grey (em minha opinião). Os dois sempre discutiram muito ao longo de suas vidas, mas só chegaram às vias de fato e literalmente "saíram na mão" somente quando o assunto "Jean" entrou na história. Ressentimentos profundos marcam a vida desses dois heróis e em minha opinião poderiam render célebres histórias nas mãos de bons roteiristas.

Miniatura Marvel Nº 25 - Ciclope

Outro aspecto que não podemos deixar de mencionar quando o assunto é "Ciclope" é o fato dele ter sido o líder dos X-Men originais (Ciclope, Fera, Garota-Marvel (Fênix), Home de Gelo e Anjo). Nos anos 70 os X-Men sofreriam sua 1ª reformulação radical, recebendo integrantes de diversas partes do Mundo: Tempestade (Quênia), Noturno (Alemanha), Colossus (União Soviética), Banshee (Irlanda), Solaris (Japão) e Wolverine (Canadá). Essa formação ficou conhecida como os "Novos X-Men". Apesar de toda mudança a liderança da equipe continuou nas mãos do hermético Ciclope.

Miniatura Marvel Nº 25 - Ciclope

Mais recentemente Ciclope ganhou destaque ao se tornar o líder de uma facção da raça mutante que não acredita na plena conivência pacífica com os seres-humanos. A ilha de Utopia (localizada na Costa Oeste Norte-Americana) é a base dos atuais X-Men e, embora a equipe ainda participe de missões contra o mal e em benefício da humanidade, se alinha em grande parte com a visão de Mundo de Magneto (alguém muito próximo de Ciclope atualmente). Outro recente destaque de Ciclope tem sido sua participação na atual saga da Marvel no Brasil Vingadores versus X-Men. Embora muitos encarem a liderança de Ciclope junto aos X-Men como equivocada, não se pode negar que ele foi um dos que mais conheceu as agruras da raça mutante, ressentimento que pode ser visto nessa atual saga.

Miniatura Marvel Nº 25 - Ciclope

A miniatura de Ciclope pode não ter sido a mais celebrada ou mais aguardada pelos colecionadores, mas não me desagradou. A escolha de representa-lo em seu uniforme atual pode dividir opiniões. Eu particularmente não gostava do uniforme adotado por ele nos anos 90. Para mim teria que ser seu uniforme de X-Man Original ou esse aí mesmo. 

Ciclope se tornou um personagem interessante justamente por ter se afastado de sua personalidade previsível inicial, transformando-se em alguém potencialmente perigoso e  ao mesmo tempo complexo e profundo. É isso aí. Abraço à todos!