segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

Destaques de 2012 - Quadrinhos e Filmes



O ano de 2012 foi marcado por promessas apocalipticas... Bem, sobre elas não posso discorrer muito, mas em matéria de quadrinhos 2012 recebeu, sem dúvida nenhuma, uma avalanche de lançamentos sem precedentes. Podemos dizer, sem sombra de dúvida, que o Brasil vem experimentando uma variedade de títulos como nunca presenciamos. Separei alguns deles para comentar rapidamente aqui. Longe de ser uma lista das melhores publicações, ela é na verdade, uma lista de coisas que comprei e que me chamaram atenção. Encontram-se listadas aqui algumas publicações que lí e que mereceram meu destaque, outras no entanto eu ainda não tive tempo de ler, porém serão vistas aqui por conta de terem chamado minha atenção e pelo fato de que deposito nelas grande expectativa!

O Universo Noir constitui-se em uma ideia, interessante em minha opinião, que vem sendo bem conduzida. A premissa básica é ambientar conhecidos heróis do panteão Marvel nos violentos anos 30. Esse ano destaco os lançamentos:

- Homem-Aranha Noir : A Face Oculta (Fevereiro). O Cabeça de Teia aparece aqui em um formato mais violento e sério. Gostei bastante!


- Homem de Ferro Noir, Wolverine Noir e X-Men Noir (Julho, Agosto e Novembro, respectivamente) eu não conseguí ler, porém permanece minha expectativa.


Não tenho experiência quase que nenhuma com o Universo Ultimate da Marvel, mas sem dúvida nenhuma o relaçamento de "Supremos 1 e 2" (versão violenta do Vingadores do Ultiverso) foi um evento que marcou os meses de Junho e Julho. Caso você não tenha comprado esse relançamento é uma das últimas chances. Ainda é possível encontrar em lojas especializadas!























- Coleção Histórica Marvel (CHM): uma das grandes surpresas de 2012. Alternativa mais barata do que as luxuosas "Bibliotecas Históricas Marvel", a CHM traz histórias primordiais (algumas inéditas no Brasil) de personagens emblemáticos da Marvel (Capitão América (Abril), Thor (Maio) e Homem de Ferro (Junho)) e dos Vingadores (Agosto). A Coleção vem acompanhada de uma linda caixa para acondicionar os encadernados. E mais, um valor relativamente baixo para cada volume (R$ 22,90!) considerando a raridade!


  

- Coleção Marvel De Luxe: Essa é uma coleção que muitos apostavam que não vingaria, principalmente pelo preço elevado (à semalhança das Bibliotecas Históricas), no entanto foram um sucesso de vendas. Minha opinião é a de que, pelo fato de relatarem de forma fechada e compactada os principais eventos da Marvel dos últimos anos, muitos compraram. Abaixo coloco os lançamentos desse ano desta coleção: Os Novos Vingadores - Motim! (Fevereiro), Capitão América - A Morte do Sonho (Maio), Invasão Secreta (Julho) e Os Novos Vingadores - Guerra Civil (Agosto).













































- Universo X (Abril): O distópico e triste futuro dos heróis marvel apresentado em Terra X (primeiro encadernado) ganhou sua continuação aqui no Brasil. Gostei bastante de Terra X, por isso sou suspeito para falar desta continuação. É para mim uma grande expectativa!


- Motoqueiro-Fantasma: Estrada para a Danação (Fevereiro): Estrada para a Danação foi uma ótima surpresa. Depois de 02 filmes pífios e muito abaixo da expectativa sobre o "Motoca", essa HQ conseguiu resgatar a dignidade que o personagem merece. Com uma história honesta, a HQ traz a atmosfera a qual o Motoqueiro pertence. Embora muitos não gostem da simbiose entre o desenho tradicional e o digital (Clayton Crain) eu não tenho nada contra e achei o resultado muito bom em Estrada para a Danação.



- Loki (Novembro): Embora seja uma HQ de 2007 acho que vale a pena fazer menção aqui sobre o relançamento de Loki, argumento de Robert Rodi e desenhos do fantástico Esad Ribic. Uma obra-prima da 9a Arte!! Mesmo que você seja alguém que não conhece ou não curte tanto HQs, ler LOKI será uma experiência inesquecível.


- Biblioteca Histórica Marvel - Homem Aranha Volume 04 (Agosto): A luxuosa e cara série Biblioteca Histórica Marvel (BHM) tem uma trajetória de sucesso nos Estados Unidos, aqui em nosso país seu sucesso é mediano, seu valor, porém é inestimável. A BHM são maravilhosos encadernados trazendo as primeiras histórias dos grande heróis da Marvel. No Brasil já tivemos o lançamento de diversos volumes cobrindo parte do panteão de super-heróis. Em 2012 o lançamento foi de apenas uma: BHM Homem-Aranha. Esse volume traz as histórias finais da parceria entre Stan Lee e Steve Ditko (primeiro artista a desenhar o Aranha) lançadas em 1966. Raridade!! Vale o investimento!!


E na DC? Bom... Na DC tivemos o famigerado Reboot (reinício), discutido aqui no blog em uma série de matérias que fiz em Maio e em Agosto (Parte I e Parte II). Outros Blogs e Sites Especializados também tiveram suas acaloradas discussões. Hoje sabemos que, ao que tudo indica, não ocorreu nenhum surto criativo ou quebra de paradigmas com o Reboot, sendo assim tudo pareceu um golpe caça-níquel! Afora o Reboot posso destacar pelo menos dois grandes laçamentos:

- Batman: O Filho do Demônio (Setembro): Relançamento da história clássica (publicada originalmente em 1989 aqui no Brasil) que mostra o embate entre o Morcego e o genocida Ra's Al Ghul. Além disso, traz o relacionamento amoroso entre Bruce Wayne e Talia (filha de Al Ghul). Esse relacionamento frutificaria em Damian, violento e irascível filho de Batman, atualmente visto nas histórias do Cruzado Encapuzado.


- Grandes Astros Superman (Outubro): Nessa ótima história, Grant Morrison tem novo surto de genialidade (muitas vezes intercalado com fases nem tão geniais assim). Morrison narra o ocaso desse grande ícone da 9a Arte vítima de um câncer, sem dúvida nenhuma um dos pontos altos da DC no Brasil em 2012!!


- Fora do circuito Marvel/DC tivemos o aplaudido "Astronauta - Magnetar". Nessa HQ o Astronauta, famoso personagem da Turma da Mônica, encontra-se já adulto em uma missão no espaço profundo. Com uma abordagem adulta sobre o personagem, Danilo Beyruth (Roteiro e Desenhos) conduz Magnetar à um novo patamar. Todos nós que crescemos lendo alguns personagens emblemáticos em nosso país, sempre quisemos uma abordagem assim!! Nota 10!!


Bom... Obviamente ocorreram diversos outros lançamentos que não aparecem aqui e que mereceriam até mais destaque do que esses, porém não tive contato com tais HQs sendo assim coloco aqui aquelas que dentro do meu gosto pessoal foram destaque.

Quanto aos filmes não fui um frequentador assíduo dos cinemas, mas tive algumas surpresas boas que agora divido aqui.

- Os Vingadores (Abril): Sem dúvida nenhuma Os Vingadores transformou-se em um dos mais rentáveis filmes de super-heróis de todos os tempos, mas não é isso que fez desse filme um ótimo filme. O segredo foi o respeito que pela primeira vez a indústria do cinema mostrou pela mitologia original dos heróis. A transposição quase irretocável da história dos Vingadores foi o segredo do sucesso. Clássico!



- Prometheus (Junho): O combalido universo de Alien é novamente oxigenado de forma muito boa nesse filme que narra eventos ocorridos nos primórdios de nossos tempos. Ridley Scott (embora muitos não concordem) revigora a franquia de forma inteligente ao não se deixar seduzir pela tecnologia e resolver contar uma história em que inquietantes perguntas são o pano de fundo para o enredo. Gostei bastante e reacendeu minha esperança de ver filmes verdadeiros de ficção científica, não apenas filmes genéricos sobre o tema. Grande destaque!!


 - Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge (Julho): Christopher Nolan encerra sua sombria trilogia do Homem-Morcego. Muitos defendem que o universo dos heróis deve conservar sempre as cores vivas e amenas dos quadrinhos de super-heróis de nossa infância. Não concordo com isso, se temos hoje a 9a Arte ganhando espaço é justamente porque visões como a de Nolan e Zack Snyder com Watchmen vieram à tona. A Trilogia de Nolan merece todo crédito!!


- Juiz Dredd (Setembro): Juiz Dredd (nada a ver com o filme idiota de Stalone lançado no passado) é um filme honesto e fiel aos quadrinhos (mídia de origem do personagem). Violento e cheio de ódio Dredd aparece muito bem caracterizado na fria interpretação de Karl Urban. Infelizmente Juiz Dredd apresentou baixa bilheteria. Azar o nosso, pois não veremos provavelmente uma continuação. Esse é um daqueles filmes que daqui uns 10 anos quem não viu por ocasião de seu lançamento descobrirá o quão bom é e dirão: "É um Clássico!!!".



- 007 - Operação SkyFall (Outubro): Daniel Craig interpreta um James Bond sem "fru-frus" ou amenidades, como eu espero de um agente secreto treinado no limite da sobrevivência. A trama, o 007 de Craig e a incrível música de Adelle transformaram esse filme em um dos melhores representantes do universo de James Bond. Impossível não reconhecer alí a influência da Trilogia Bourne. 007 Operação SkyFall foi uma ótima surpressa!!


- O Hobbit - Uma Jornada Inesperada (Dezembro): O novo filme do mítico universo de Tolkien aparece com força. Embora muitos tenham reclamado da expansão do roteiro em cima da história original o filme é bom e me agradou. Elementos da filosofia de Tolkien foram respeitados e as grande interpretações dos atores principais renderam um filme consistente. Vale a pena!!


Todos esses destaques obviamente fazem parte de meu gosto pessoal. Longe da pretensão de transformar essa lista no supra-sumo de 2012 no que se refere à quadrinhos e cinema, ela é na verdade a expressão de coisas que me fizeram feliz em 2012. Sendo assim sobrepõe-se meu gosto à aspectos técnicos e acadêmicos sobre o tema.

A Coleção de Miniaturas Marvel foi para mim o grande evento do Colecionismo em nosso país em 2012. Dado sua importância não seria justo falar dela em uma postagem tão extensa como essa. Sendo assim, falarei, opotunamente, sobre a coleção trazendo uma revisão de sua trajetória em 2012!

Desejo à todos um 2013 muito bom e pródigo em saúde e coisas que realmente valham a pena serem vividas que, embora muitos não acreditem, são as coisas pequenas e sagradas do dia a dia.

quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

O Hobbit - Uma Jornada Inesperada


Todos estavam com muitas expectativas sobre o novo filme do universo do "Senhor dos Anéis", épica e monumental obra de J.R. Tolkien. Muitos talvez não saibam, mas 60 anos antes dos eventos narrados na Trilogia "O Senhor dos Anéis" haviam ocorrido acontecimentos tão interessantes quanto aqueles vistos na "Sociedade do Anel", "As Duas Torres" e "O Retorno do Rei". Tais acontecimentos são narrados no livro "O Hobbit". Na verdade, Tolkien escreveu 1º "O Hobbit" e apenas tempos depois expandiu essa mitologia na trilogia. Eu havia lido algumas resenhas sobre o filme "O Hobbit - Uma Jornada Insperada", porém como acho injusto emitir uma opinião sobre uma obra sem experimenta-la resolvi assistir primeiro. O filme é bom! Muitos daqueles que escreveram sobre o filme ficaram procurando o tom épico de "O Senhor dos Anéis", e aí eu acho que está um dos seus erros. 

Bilbo Bolseiro aceita a aventura!!

Aviso: Não há "spoilers" à frente.

Bilbo Bolseiro em seu 1º encontro com Gandalf

Embora o filme possua sim um certo tom épico ao fundo ele narra uma jornada mais intimista. Nela, 13 anões liderados por Thorin Escudo de Carvalho (herdeiro do reino dos anões) bate à porta de um certo hobbit chamdo Bilbo Bolseiro (muito bem interpretado pelo inglês Martin Freeman). Bilbo como todo hobbit, vive no pacato "Condado", uma terra alegre e provinciana. O Mago Gandalf (novamente interpretado por Ian McKellen), chega trazendo os 13 anões e vê em Bilbo uma coragem que nem mesmo o pequeno hobbit encherga em sí mesmo. A jornada desse estranho grupo liderado por Gandalf e Thorin mostra sinais aqui e acolá dos eventos perturbadores que viriam ocorrer na Trilogia futura e isso é uma atração à parte para o fã desse universo.

Os 13 Anões que batem à porta de Bilbo

Em minha opinião o filme fica mais interessante à medida que avança. Há muitas situações de perigo que parecem impossíveis de serem vencidas pelo grupo e nisso o filme lembra bem o livro "O Hobbit". Lí o livro há muito tempo atrás e, para quem também o leu, é sabido que não há elementos suficientes na história para contemplar 03 filmes, como será o caso. "O Hobbit - Uma Jornada Inesperada" é apenas o 1º dessa trilogia. Isso fez com que a narrativa fosse mais trabalhada em situações que Tolkien narra apenas de forma rápida. À princípio isso pode parecer uma enganação, porém os produtores e o diretor (Peter Jackson) fizeram tais enxertos baseados em escritos adicionais deixados por Tolkien e tendo por base toda a rica mitologia da Terra Média. Dessa forma tal expansão permaneceu fiel às ideias e conceitos originais.

Bilbo em sua casa recebendo o indesejados, festivos e beberrões Anões

É muito bom rever personagens consagrados em "O Senhor dos Anéis". Durante uma parada na élfica "Valfenda", há um encontro importante reunindo nada menos que "Elrond - O Senhor dos Elfos de Valfenda", "Saruman - Chefe da Ordem à qual Gandalf pertence" e a bela "Galadriel". Todos interpretados pelos mesmos atores a saber, Hugo Weaving, Christopher Lee (o Eterno Drácula) e Cate Blanchett, respectivamente. Até mesmo Elijah Wood aparece na pele de Frodo em uma sequencia pertencente ao futuro de Bilbo, sequencia essa que liga bem o "Hobbit" com "O Senhor dos Anéis". É nesse encontro em Valfenda que Ian MacKellen (Gandalf) dá um "show" de interpretação (em minha modesta opinião), e destaco sobretudo as palavras que ele profere em um diálogo à sós com Galadriel. Sua palavras à respeito de pequenas coisas sintetizam exatamente aquilo em que acredito!
O Grupo já formado!
Gostaria de destacar tambem a presença de "Gollum" (novamente interpretado por Andy Serkis). A sequência que mostra um embate verbal entre ele e Bilbo é também um dos momentos altos do filme. Ali fica bem expressa a deformada existencia de Gollum e ao mesmo tempo a beleza da alma de Bilbo. Martin Freeman aliás, constrói um Bilbo pelo qual você passa a gostar apenas com o desenrolar do filme. Ele consegue demonstrar porque Gandalf geralmente escolhe Hobbits para auxilia-lo em suas empreitadas. Isso ocorre não porque os atos de bravura de Bilbo são maiores que os dos outros anões, isso ocorre porque Bilbo os empreende com total consciência de sua pequenez!!

Abaixo alguns anões.

Ori

Balin

Bombur

O filme me agradou e, graças às grandes interpretações de Martin Freeman (Bilbo), Ian McKellen ( Gandalf) e Richard Armitage (Thotin Escudo de Carvalho) o filme ganha especial valor. Quando Tolkien escreveu "O Hobbit", ele o recheou com algumas ilustrações que se tornaram clássicas. Termino essa matéria oferecendo algumas. Abraço à todos!!

A Chegada de Gandalf ao Condado

Bilbo (ao centro) e os Anões em sua casa: prenúncio de uma grande aventura

O Dragão "Smaug", que terá importante papel nos próximos filmes

segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

Coleção Carros Inesquecíveis do Brasil - Volkswagen Karmann-Ghia (1962)

Coleção Carros Inesquecíveis do Brasil - Volkswagen Karmann-Ghia (1962)

A Coleção Carros Inesquecíveis do Brasil traz em seu número 06 o Volkswagen Karmann-Ghia 1962. Projetado com um design esportivo e ao mesmo charmoso e sofisticado o Karmann-Ghia chegou ao nosso país com a fundação da Karmann-Ghia do Brasil em maio de 1960. No entanto, sua história começa muito tempo antes disso. Presisariamos voltar ao início do século 20!

Coleção Carros Inesquecíveis do Brasil - Volkswagen Karmann-Ghia (1962)

Wilhelm Karmann foi um fabricante de carroças de tração animal que no início do século 20 passaria a fornecer carrocerias para diversas fábricas alemãs. Com a 2ª Guerra Mundial W. Karmann estreitaria seu negócio com a Volkswagen e anos mais tarde seu filho, Wilhelm Karmann Jr. firmaria uma parceria com a italiana Ghia, fabricante de automóveis situada em Turim. Com isso estava pavimentado o caminho para concepção de um carro com linhas agradáveis e convidativas. O desenho do automóvel ficou ao cargo dos italianos da Ghia e o Karmann-Ghia foi apresentado à imprensa em 17 dejulho de 1955 e ao público no Salão do Automóvel de Frankfurt em setembro de 1955.

Coleção Carros Inesquecíveis do Brasil - Volkswagen Karmann-Ghia (1962)

Discutir o efeito que carros em geral causam nas pessoas é matéria para muitas conjecturas, porém a associação de designs interessantes, experiências pessoais, necessidades diárias e afetividade pode explicar parte deste fascínio. Meu interesse pessoal passa por todas essas questões e eu adicionaria ainda a questão histórica que norteia esses modelos. O Karmann-Ghia no Brasil chegou com uma publicidade bem específica, ele atenderia um público bem definido, a saber: 1º - Jovens solteiros que quisessem prestígio e alto desempenho; 2º - Jovens solteiras ambiciosas e que almejavam "status" e charme; 3º - Casais jovens, esportivos e ao mesmo tempo sofissticados; 4º - Casais sem filhos que quisessem um segundo carro ou com no máximo 02 filhos de até 06 anos. Isso porque o Karmann-Ghia possuía capacidade limitada de trasnporte, podendo levar 02 adultos e 02 crianças, além de que seu porta-malas era pequeno.

Coleção Carros Inesquecíveis do Brasil - Volkswagen Karmann-Ghia (1962)
 
Empresas de diversos ramos de comércio sempre apostaram no desejo pessoal do indivíduo. Tudo isso envolve o fato de que a humanidade é "desejante" por natureza. Temos em nós um anseio por algo que nunca conseguimos indentificar exatamente sua natureza, mas está lá. Nesse aspecto as fábricas automobilísticas sempre souberam aproveitar bem esse vazio existencial, unindo a satisfação de diversos anseios em um produto só: o automóvel. Com a maturidade percebemos que isso é de certa forma "correr atrás do vento", pois a satisfação tem tempo e hora para acabar. Por isso é que me contento em satisfazer esse vazio com hobies mais baratos do que comprar carros de verdade! rs rs

Coleção Carros Inesquecíveis do Brasil - Volkswagen Karmann-Ghia (1962)

Voltando ao Karmann-Ghia, que possui relação direta com o que coloquei acima, temos que: Para quem usasse a racionalidade a Volkswagen oferecia o Fusca ou a Kombi. No entanto, para quem usasse paixão e tivesse dinheiro o Karmann-Ghia oferecia bom gosto e a imagem de um estilo de vida mais esportivo e despojado do solene. Algumas coisas levaram o Karmann-Ghia ao declínio no início dos anos 70, dentre elas seu desenho praticamente irretocável, o que acabaria por condená-lo em função da dificuldade de reformulações, limitando-o a existir apenas em uma época. Outra questão é o fato dele custar tanto quanto os carros grandes presentes no mercado, e ao mesmo tempo bem mais que os carros pequenos. Sua sobrevivência foi assegurada por uma década em função de sua beleza inigualável, economia e "status". Porém em 1971 o Karmann-Ghia deixou de ser fabricado após mais de 23.000 unidades coupé vendidas no Brasil. O formato conversível alcançou apenas a marca de 176 vendas em seu período de existencia.

Coleção Carros Inesquecíveis do Brasil - Volkswagen Karmann-Ghia (1962)

A miniatura é interessante e possibilita a observação de detalhes importantes como a existencia das grades dianteiras que não eram apenas estéticas, mas contribuiam para a captação de ar para a cabine. A calotas eram outro charme, bem como as linhas arredondadas e o visual estilo "Porsche". Abaixo seguem algumas especificações técnicas desse modelo.


Um grande abraço a todos!

sábado, 8 de dezembro de 2012

Futuros Distópicos - Parte I: Terra X

Terra X - Edição Encadernada de 2009 - Panini Books

Projetar futuros de dor e tristeza tem rendido obras interessantes em diversas mídias. Nossa atração e até fascínio por futuros disfuncionais pode (talvez) ser explicada, em minha opinião, pelo fato de que sabemos que as sementes desses estranhos futuros estão entre nós, sempre prontas a germinar. Nos quadrinhos tais exercícios imaginativos renderam ótimas histórias como poderemos conferir em matérias futuras aqui no blog. Terra X é o 1º e extenso capítulo de uma obra prima da 9ª arte, sucedido por "Universo X" e "Paraíso X", esse último ainda inédito no Brasil. Terra X narra o futuro do Universo Marvel sob à batuta dos roteiristas Jim Krueger e Alex Ross, esse também o desenhista das inúmeras capas da edição que coloco acima, lançada pela Panini aqui no Brasil em 2009 (iten raro entre nós atualmente). Caso você não tenha lido essa grande história não se preocupe, procuro sempre não escrever "spoilers", as informações abaixo não comprometem a trama.

Capa de Abertura da Edição Encadernada da Panini - Alex Ross

Essa edição encadernada de Terra X eu diria que foi a principal aquisição que fiz nesse ano de 2012. Tive muita dificuldade de consegui-la e o preço para obtê-la também não foi baixo. Mas valeu a pena. Ao olharmos o futuro dos heróis do universo Marvel sentimos a mesma nostalgia que sentimos ao olharmos pra trás e verificarmos como vai ficando diferente de como era. Como tudo se transforma ao nosso redor, tornando-nos por vezes anacrônicos em nossa própria vida. A história é intrincada e uma caixa de surpresas. Não é como ler uma HQ comum, há textos longos e filosóficos, porém tudo muito bem integrado à trama. É possível reconhecer todos os principais heróis da Marvel, porém todos muito diferentes. A maioria marcada por tragédias pessoais. O Capitão América vaga, como um velho e desacreditado herói por uma América diferente. Reed Richards habita agora o Castelo do Dr. Destino. Consumido pela culpa por um evento que marcou sua vida e lhe tirou sua amada mulher, Richards veste-se como Victor Von Doom e sua dor é quase palpável.

Da esquerda para direita: Raio Negro; Loki; Luna; X-51 (antigo Homem-Máquina); Capitão América; Demolidor; May Parker; Tony Stark (velho e cheio de fios); uma nova e desconhecida aspirante à X-Man.

Tony Stark, também velho, vive isolado em um local desconhecido e separado do mundo. Frente à morte de vários amigos Vingadores Tony construiu os Vingadores de Ferro, robôs que são apenas pálidas lembranças de uma época mais simples e feliz. Thor por algum motivo não revelado foi transformado em mulher em função das maquinações de um Loki bem mais assustador. Peter Parker, mais velho e obeso, tenta resgatar sua relação com May Parker, sua filha, agora hospedeira de um dos seus piores inimigos, Venon. Referência interessante é sobre o Demolidor. Há um personagem com esse nome na trama que não consegue morrer, por mais que tente, porém sua identidade não é revelada e é muito pouco provável que ele seja Matt Murdock.


Hulk, depois de anos de fúria é apresentado já dissociado de Bruce Banner, que em função de diversos aspectos da trama aparece em suas costas como um garoto. Namor, que teve importante participação na tragédia da vida de Reed Richards, sofre consequencias sérias desse ato, tendo metade de seu corpo ardendo em chamas para todo o sempre. O Dr. Estranho morto enquanto estava em sua forma astral possui um estranho visual no além vida. Talvez o único personagem que traga algum alívio à toda densidade da trama talvez seja O Coisa, casado com Alicia Masters e pai de dois filhos (Buzz e Chuck), dois ótimos e engraçados garotos! Os X-Men já não existem como conhecemos hoje. Colossus é soberano na Rússia e a governa como um verdadeiro Czar.

Wolverine e esposa (Jean Grey)

Outra figura interessante é a de Wolverine, agora obeso, indolente e cheio de estupidez para com sua esposa, Jean Grey. Scott Summers vaga por uma Nova York diferente, cheio de lembranças. Uma raça com papel central ao longo da trama são os "Inumanos", que retornam à Terra relativamente modificados fisicamente. Tudo no universo Marvel é representado de forma excelente. É preciso, no entanto ler a história sabendo que há vários trechos escritos em forma de livro, algo que à princípio não gosto, porém funcionou muito bem aqui. Alex Ross desenha as capas, porém o desenho da história fica ao cargo de John Paul Leon. Sua arte é estranha e, por causa dela, eu relutei durante muito tempo em comprar Terra X. Achava sua arte pouco atrativa, principalmente diante das capas exuberantes e realistas de Ross. Sentia-me um pouco enganado ao me deparar com a arte de Ross na capa e com outra no interior do encadernado. Esse foi o motivo pelo qual eu não comprei Terra X inicialmente, mesmo apesar de muitos conhecidos terem me falado que era uma ótima HQ. Isso fez com que eu amargasse um longo caminho para adquiri-la depois.


Todo esse cenário descrito acima é palco para uma trama bem maior envolvendo forças cósmicas em movimento em nosso planeta há bilhões de anos, e que são gradativamente reveladas ao leitor. Tudo é dimensionado de forma a abranger todas as facetas do universo Marvel. Deviantes, Eternos e os colossais Celestiais também estão presentes, trazendo à história uma percepção de épico. Os Asgardianos, bem como os diversos outros panteões de deuses tambem são citados. No caso dos Asgardianos uma interessante explicação é dada para sua origem e existencia, algo que me deixou muito surpreso!


Terra X mostra o quanto o universo dos heróis é rico e interessante, além do quão vasta e cheia de referências é sua mitologia. Nas mãos de pessoas criativas o prazer não tem preço!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...